Pepe Mujica deixa o topo e entra para a História

Neste domingo, enquanto começa o mês de março de 2015, termina o mandato de Pepe Mujica, um dos presidentes mais populares do mundo, verdadeiro rockstar da política. O guerrilheiro tupamaro que chegou ao poder entregará a faixa presidencial ao mesmo Tabaré Vázquez de quem a recebeu, em 2010, e deixará de ser o presidente do Uruguai.

Seu período presidencial será marcado por grandes transformações no país: o aborto foi legalizado e passou a ser realizado no sistema público de saúde, os homossexuais conquistaram o direito ao matrimônio, a maconha foi passou a ser produzida e comercializada pelo Estado, deixando de ser um problema de segurança pública, o debate sobre a democratização dos meios de comunicação avança rapidamente, o novo comandante do Exército pediu desculpas pelos crimes da ditadura e afirmou que as Forças Armadas precisam limpar todo e qualquer resquício da repressão para voltar a ser respeitada pela cidadania.

É pouco provável que o Uruguai volte a ser notícia no governo do moderadíssimo Vázquez. Como também é muito provável que fique marcada, no imaginário popular, a figura de Mujica como eterno presidente do paisito cisplatino.

Apesar do mito sobre sua vida austera, Mujica não é pobre. Viveu doze anos confinado numa solitária, durante a ditadura uruguaia, o que lhe transformou numa pessoa de grande sensibilidade, suficiente para inspirar os belíssimos discursos que fez na ONU enquanto foi presidente. Condenou o consumo desenfreado, a falta de maior solidariedade com os mais pobres do mundo, a ganância dos grandes grupos econômicos e o mal que o homem faz à natureza em sua busca inescrupulosa por riqueza e poder, conquistando a admiração até daqueles que criticou.

Tinha 14 anos quando escreveu um poema que batizou Rumo ao Topo, e que dizia:

hacia la cumbre

 

Serei tudo ou não serei

mas é meu lema lutar

para ingressar nas fileiras

dos que sabem triunfar

e culminar as aspirações

de minha pátria e minha mãe

 

 

 

Neste domingo, depois de viver cinco anos no topo, Mujica passará o bastão e voltará à casa. Missão cumprida? Que cada um faça o seu juízo.

 

  • 50 Mujicas no Senado e Câmara seriam trucidados. 500 fariam o Brasil que as minorias oligárquicas e retrógradas não querem, mas o povo Brasileiro, minoria trabalhadora e roubada teria uma oportunidade de ser feliz com muito pouco.

  • Doug

    Muito bom que o próximo seja tão bom quanto…

  • Rogério Araújo

    Assim como Palmeiras e Internacional contrataram Técnicos de Futebol… Hoje quem sabe pudéssemos colocar aqui esta lenda na atual América do Sul, nem que fosse para o EXERCITO lhe entregar o poder, talvez pudéssemos aprender c/ humildade e luta como a dele ou quem sabe Michele Bachelet, que tem dado exemplo de crescimento e direção no Chile. Aqui aparecem pessoas da classe: FUTEBOL, ARTE, TRABALHADOR, AGRICULTOR, EMPRESÁRIO, RELIGIOSOS E ETC… (Se fosse na BÍBLIA, os chamados FALSOS PROFETAS), Não fazem mais do que se agrupar e aumentar mais o número de BANDIDOS. As vezes parecem q vão nos trazer alguma esperança… Joaquim Barbosa… Nem votar ele não votou, então fugiu de tentar mudar o que estava errado. Quem sabe agora, Sérgio Moro, Rodrigo Janot ou Reguffe (Senador q tem dado bons exemplos no DF…)… Dia 15/3 está chegando… que façamos cada um nosso dever… Agora de CIDADÃO.

    • Maria Viana

      Brasileiro acha bonito por que é lá no Uruguai !!! O que ele fez lá não diferente do que o PT iniciou com Lula e foi metralhado pela classe média. Menos hipocrisia por favor.

    • Fernando Fernandes

      Nós não precisamos de heróis, mas sim de pessoas comprometidas com projetos que faça justiça social. Moro (primo de Beto Richa), Joaquim Barbosa (que rasgou a CF para ficar bem com o apelo de justiça) não pode ser comparado a Pepe Mujica

  • Raphael

    Se fosse no Brasil Mojica todos os dias estaríamos vendo críticas por essa nossa mídia corrupta.

  • Edmilson Moreira

    Pepe Mujica é de facto um dos políticos mais importantes da América Latina e o seu exemplo de vida e grandeza de carácter devia ser apreciada e seguida pelos governantes a nível mundial. Hoje infelizmente um pouco por todo o mundo, se vive numa lógica de endeusamento dos mercados e um desprezo pelas vidas das pessoas e ele realmente se colocou ao lado das pessoas.
    Eu costumo dizer que quando se faz política com seriedade, transparência, e sentido do bem comum estamos a respeitar os princípios democráticos e a enobrecer a actividade política. E Mujica fez tudo isso e demonstrou que sempre é possível marcar a diferença pela positiva desde que haja convicção e vontade.

  • Paulo Coutinho

    O que assistimos hoje no Brasil,é fruto da domesticação das consciências,iniciada durante os 21 anos da ditadura.
    A rede globo, capitaneando as mídias vassalas,mistificação,deturpa e malversa as informações sempre defendendo o ponto de vista dos historicenres privilegiados,hoje como nunca irritados e insatisfeitos pelo fato histórico dos governos do Pt,a duras penas ter conseguido elevar o nivel de vida em todos os aspectos dos extratos excluídos de sempre.
    Até a postura de pela primeira vez,punir a corrupção ativa mais tocada,é diuturna e sistematicamente deturpada Às oligarquias desde sempre só convém a perpetuação da privatização do estado função dos seus interesses.
    Até vender a mossa soberania de foa mercenária,é preferível, à ascenção social e a dignidade da nação como um todo.
    Basta de manipulação. Regulamente-se os meios de informação, ou que sejam revistas as concessões.